Postagem em destaque

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Já Fui Selvagem

Desde que me tornei vegetariana, em julho de 2006, algumas pessoas próximas ficam constrangidas ao comer carne quando estou por perto.
Várias chegam a fazer um comentário similar a uma desculpa, outras olham com ar de criança danada, fazendo arte.
Percebendo essas reações, geralmente respondo na boa:
- Tudo bem, também já fui selvagem.
A frase, suavizada por um sorriso, ameniza a situação mas é uma realidade pela qual passei.
Me sentia selvagem ao comer bichos mortos para satisfazer a gula humana.
Acredito que a evolução da humanidade passa inegavelmente pelo vegetarianismo mas é uma questão individual.
Tenho amigos veganos e vegetarianos com uma postura radical, a ponto de não sentar-se à mesa com carnívoros.
Não sei se estão certos mas sei que estão convictos.
Quero e vou continuar no vegetarianismo mas para isso não preciso me afastar dos amigos selvagens.rs

5 comentários:

Mara disse...

Eu sei Anita,
tanto é que vc tem carinho por tds as pessoas de bem, mesmo sendo selvagens... como eu. Ainda sou predadora carnívora, está difícil sair desse estágio para evoluir para a fase seguinte. Mas faço parte das predadoras apenas (com um gd peso na consciência em que o instinto domina a lógica). Graças a Deus não estou incluída na classe dos selvagens do mal que mata os animais por esporte, diversão e fins lucrativos (apostas). Como eu já lhe disse - eu admiro muito os vegetarianos e gostaria muito de fzr parte desse meio, mas infelizmente o meu instinto carnívoro é forte demais qd vj um belo churrasco e um bife na chapa... mas diminuí muito o meu consumo da carne e pretendo diminuir cada vez mais até não mais sentir falta delas, aí sim, vou me considerar vitoriosa.

anita disse...

Gosto de vc, mesmo carnívora, Mara.
Também adorava churrasco e comidas exóticas como sarapatel, rã e buchada.
Só que o remorso era tão grande que não há prazer alimentar que pague uma consciência tranquila.
Diminuir seu apetite carnívoro já é um bom passo.
Bjs.

Alessandra Reis disse...

Amei o post. Também já fui selvagem. E comecei assim, diminuindo o apetite carnívoro e quando dei por mim, já não havia mais apetite por carnes. Mas convivo super bem com meus amigos predadores ;)
Cada qual tem sua consciência e escolhe pra si o que bem quer. Precisamos sempre saber respeitar as escolhas alheias.
Paz e Luz em seus caminhos sempre Anita. Abraços.

anita disse...

Alessandra!
Que bom ver novamente algum comentário seu no cafofo.
Respeitar as escolhas alheias é essencial para uma convivência harmoniosa.
Não devemos impor ao outro o que queremos para nós.
Beijos e a retribuição sincera de paz e luz.

Cecilia Fidelli disse...

Uma vez,
fui à uma festa de casamento,
com um grupo de 9 amigos (as),
vegetarianos.
Rolava coxinha de frango,
kibes (carne de gado),
risoles de queijo (eles não
consomem nem derivados),
e por aí a festa caminhava
entre os festejos, fotos, etc...
Me sentí meio - esquisita - no
meio deles, sim.
Mas, ninguém, nenhum deles
deu sinais de rejeição,
digamos assim.
Os garçons iam passando
e eu consumindo normalmente.
Mas, não durou muito tempo.
Uma hora depois uma das minhas
amigas convidou o grupo: Vamos?
E fomos, pois que todos concordaram.
Foram,
cada uma para suas casas.
Como eu estava de carona...
fui também.
Sei lá.
Não me considero carnívora,
na verdadeira acepção da
palavra, mas, sei que essa
história de que o organismo
necessita de carne é balela
das poderosa$ indústrias.
E comer carne (de açougue),
alegando que, não fui eu que
matei, também é uma - boa
desculpa - Mas pretendo evoluir
nesse sentido sim.
Beijo,
Ci.